Distúrbio de Processamento Auditivo Central

É caracterizado pelo fato do paciente, com audição normal, detectar sons sem, no entanto, conseguir interpretar as informações.
Essa capacidade depende do bom funcionamento das áreas auditivas do córtex cerebral e dos caminhos que conduzem o som até essas áreas.
Na infância, pode causar prejuízos sociais e educacionais por impedir que a criança portadora desse distúrbio entenda e assimile o que é apresentado em sala de aula.
O DPAC é capaz limitar o aluno nas habilidades de escrever, interpretar textos e compreender enunciados.
Os sintomas variam em crianças ou adultos.
Entre os mais comuns estão a distração, desatenção, agitação, quietude excessiva, lentidão para escutar ou entender, constante repetição das palavras “Hã?”, “O que?” ou “Não entendi!”, e dificuldade em memorizar, localizar sons, contar fato ou história e compreender a leitura.
A troca letras “CH”, “L” e “R” e “S” é também sintomática, assim como a inversão de letras e problemas de orientação direita e esquerda.
Problemas durante a gestação e no nascimento, otites constantes durante os primeiros anos de vida e fatores hereditários estão entre as causas principais do DPAC.
Para identificar se a criança ou o adulto é portador desse distúrbio, é indispensável passar por uma avaliação de audição com um otorrinolaringologista e um fonoaudiólogo.