Corpo Estranho

Nos ouvidos, o conduto auditivo externo é o principal local de introdução do CE. O quadro clínico depende do tipo de objeto introduzido. Pode se iniciar com hipoacusia pela oclusão do conduto. Em alguns casos, os sintomas são imediatos e desesperadores, como a locomoção de um inseto, que causa incômodo, otalgia e zumbido, ou otorragia pela lesão da pele do conduto ou da membrana timpânica, desencadeado por objetos pontiagudos (lápis, caneta, tampas de canetas, brinquedos) ou hastes flexíveis.

Todavia, alguns casos podem passar despercebidos pelos pais ou responsáveis e até mesmo pela criança, sendo o diagnóstico confirmado pela otoscopia em uma consulta de rotina ou em uma consulta na emergência por outro motivo. Geralmente, são objetos que não acarretam muito incômodo, como pedaços de algodão, de espumas, massinhas de modelar, areia, pequenos grãos, pequenas contas de colar. Otorreia e otorragia também podem ser decorrentes da manipulação prévia e tentativas fracassadas de remoção.

No nariz os sintomas iniciam-se com espirros, coriza serosa e obstrução nasal, pois causam uma reação inflamatória local. O tipo de CE é muito semelhante aos materiais introduzidos nos ouvidos. Caso a criança não relate a introdução do CE, ou isto não seja presenciado e nem desconfiado pelos responsáveis, evoluirá, em alguns dias, para rinorréia unilateral fétida e purulenta, ipsilateral ao CE. Pode haver, inclusive, sangramento nasal.

Infelizmente, tais sintomas podem ser diagnosticados e tratados, erroneamente, como rinossinusite, tanto pela consulta rápida dos prontos atendimentos, como pela falta de material adequado para examinar o paciente, que muitas vezes não procurará o especialista.

Assim, na suspeita de corpo estranho na criança, mesmo ela estando estável, a orientação é levá-la no mesmo instante ao pronto socorro de referência para que seja examinada por um médico. Isso diminui as chances de complicações, além de aumentar a chance de sucesso na retirada do corpo estranho.

Cerumen

É muito comum pacientes procurarem o otorrinolaringologista para retirada de cerume do ouvido.

O que todos devem saber é que, somente devemos fazer a retirada, quando houver cerume em excesso. Ou seja, quando o cerume está, de alguma forma, atrapalhando o equilíbrio do ouvido externo.

O uso de cotonete, portanto, não é bom, pois tira toda a proteção do ouvido ao retirar o cerume.

Mas quando em excesso, o cerume pode atrapalhar a audição e também propiciar o surgimento de otites externas devido à retenção de umidade.

A retirada deve sempre ser feita por um médico, para não haver traumas e lesões ao ouvido. Ela pode ser feita através de lavagem, aspiração, ou pinças. Todas são excelentes formas de fazer esse procedimento, cabe ao médico decidir qual a melhor para cada situação.