BERA ou PEATE (Potenciais Evocados Auditivos de Tronco Cerebral)

O potencial evocado auditivo de tronco encefálico é um exame da área de Neurofisiologia clínica, objetivo e não invasivo que visa avaliar a integridade funcional das vias auditivas até o tronco encefálico alto. Pode ser realizado em qualquer idade e não depende da resposta do paciente. É necessário um ambiente silencioso, a sala deve ser tratada acusticamente e eletricamente, o paciente deve estar em sono natural ou deitado de forma relaxada e quieto. É feita uma limpeza com pasta abrasiva específica na testa e atrás das orelhas e nestes locais são colocados eletrodos. São utilizados ainda fones de ouvido que emitem sons tipo clicks ou toneburst, a depender da solicitação médica e estimulam o nervo auditivo. A partir daí, os eletrodos podem captar a atividade elétrica da orelha interna até o colículo inferior. Com o PEATE pode se determinar se existe ou não perda auditiva (através da pesquisa de limiar) e qual o local da lesão (cóclea, nevo auditivo ou tronco encefálico).

É indicado para complementar a avaliação da audição quando os demais testes são inconclusivos ou impossíveis de realizar, no caso de adultos e crianças não cooperantes ou com comprometimentos neurológicos; para triagem nos recém-nascidos de alto risco, determinado principalmente pelos fatores de risco perinatais e após a realização das emissões otoacústicas; na identificação de tumores no nervo auditivo;  no diagnóstico de lesões difusas, como por exemplo a esclerose múltipla, em combinação com outros exames;  nas neuropatias auditivas;  na monitoração intra-operatória do estado funcional do sistema auditivo durante cirurgias e ainda nos pacientes em estado de coma, para determinar se já ocorreu a morte cerebral. Avalia a sincronicidade neural, desenvolvimento e amadurecimento das vias auditivas.